A preocupação no Chokwé vira-se agora para as doenças que advém desta situação de crise. As águas paradas e fracas (ou nenhumas) condições de higiene para as famílias e crianças que ficaram desalojadas já estão a provocar casos graves de saúde.  O Centro solicita agora toda a ajuda possível com identificação e tratamento dos casos urgentes de diarreia. Com as águas paradas e o tempo quente, as famílias que dormem ao relento estão também ainda mais expostas à malária e espera-se um aumento da incidência de doenças.  

As voluntárias estão a trabalhar com o Irmão Licínio para continuar a avaliar os casos mais graves e procuram locais com conhecimentos médicos na matéria para apoiar a situação.