O Mano Silvestre está preocupado já que as autoridades locais esperam que a África do Sul volte a abrir as comportas já que as chuvas continuam.  Hoje ia tentar levar a pé as filhas para Chinhacanine, no sopé do Monte Chirrundzo. 

Lá podem ficar na casa da Avó.  Sempre preocupado com a educação da filha, Mano Silvestre já pensa inscrever Albertina, a mais velha, numa escola na aldeia, para evitar que perca o ano. A perspectiva de abertura da Escola S. Vicente de Paulo (apoiada pela UPG, frequentada pela Albertina) está ainda bastante distante.