“Foi para mim um enorme privilégio poder colaborar com a UPG nesta missão de ajudar a mudar o mundo e torná-lo um pouco melhor.
A ação da UPG constitui, de facto, toda a diferença na vida destas crianças tão especiais, tão cheias e ao mesmo tempo tão carentes de tudo!

Terminada a aventura por terras de África, no lado rico do mundo os sentimentos são de revolta, de angústia, de injustiça e de mal-estar perante o confronto com uma sociedade que vive todos os dias com pressa de chegar, sem saber para onde quer ir, uma sociedade que se consome no desperdício e no supérfluo, e que se perde no sentido, uma sociedade autista, que consegue viver distraída consigo mesma, sem nunca olhar para o lado – para os que, iguais, mais precisam; para os que, antes de tudo, têm como principal desafio: sobreviver.  

Mas porque a missão não terminou (nem terminará nunca), e porque as experiências, as lembranças e os ensinamentos apreendidos são muitos, continuarei sempre a colaborar, aqui ou em qualquer lugar, em tudo aquilo que possa ser útil e ajudar. Fazer voluntariado é isto…. … é olhar de frente, olhar de perto, olhar nos olhos. … é ver as diferenças e gostar delas. … é sentir o frio de uma vida vazia e o calor dos afectos. … é sorrir sempre. … é abraçar, é dar de mim, é estar aqui. … é guardar para sempre este sol, este olhar e este sorriso de esperança.   “E se eu pudesse mudar o meu mundo?” Sim, podemos mesmo!!!”  

Mana Silvia